VISTA ALEGRE esse pequeno pedaço de subúrbio

 Se antes falamos do Imperador e o conceito de lugar, porque não falar hoje do meu ou um dos meus Lugares ? 0 pequeno bairro de Vista Alegre.

Rogério Batalha, compositor, poeta e morador de Vista Alegre cita: nosso bairro é uma pequena Bahia, Jorge Amado realmente teria muito a contar sobre este lugar. Esse bairro que se avizinha a Cordovil, Irajá, Brás de Pina e vila da Penha é quase um condado pouco lembrado ou citado pelos cronistas da cidade. Em geral quando citamos Vista Alegre, é comum receber comentários e referências que vão desde um bairro de São Gonçalo até algum lugar da Barra.

Mas vamos ao que interessa, a primeira coisa que o Vista Alegrense aprende é que fronteiras são delimitações arbitrárias que em nada tem relação com o cotidiano. Todos sabem que o bairro Araújo, os conjuntos brancos, o Sacil são parte de Vista Alegre apesar de ser Irajá, assim como todos sabem que até o Largo do Bicão tá liberado ser Vista Alegue mesmo que seja Brás de Pina.

Em Vista alegre é assim, temos nosso Cristo que chorava na pedreira, nunca ouvi falar deste tipo de milagre no Corcovado. Mas Jesus não para aí! Houve tempos em que Jesus vivia a sua via crucis nas ruas de Vista Alegre, era julgado ali na São Rafael e sabia em romaria até a praça da Lona. O último Cristo que vimos crucificado era negro, perseguido pelo sinédrio e pelo racismo ressuscita para ensinar ao bairro a fé, o amor e o combate aos preconceitos. Antes da Lona, o lugar era só uma praça, no platô onde ela se fez, eu, ainda criança, aprendi a andar de bicicleta e depois no bar da frente comia um ovo colorido com meu pai e um picolé em formato de tubarão. E por falar em tubarão, tem um na São Félix que até ser carro conserta. Vista Alugue é um bairro bem servido de mecânicos, do tubarão ao Seu Emilson na Walter Seder, quer tem carro não fica parado.

Cresci num Vista Alegre engraçado, tinha seus ícones como a saudosa Coruja que vivia perambulando pelas ruas mandando todos nós tomarmos no C., tinha o seu Pintinho, tinha o profeta do shortinho e tinha o profeta do picolé. Nunca soube se o apelido de Coruja tinha relação direta com o beco da Coruja, uma rua temida por puro preconceito. A quem interessar, no beco fica o Coruja Bistrô, espaço cultural onde tem um fantástico acervo histórico do Bairro.

A água de Vista Alegre é peculiar e dizem que: quem mora em Vista Alegre e dela bebe não abandona. Vista Alegre tem vários tempos marcantes, do 401 ao atual pólo gastronômico, esse bairro sempre foi point da sociabilidade. Fora as imagens marcantes também, que ficam na cabeça, como a casa que tinha um Leão como animal de estimação ou a casa que tinha um carro de fórmula 1 estacionado.

Nosso bairro é deste tipo de lugar onde todos se conhecem, você vira a esquina e algum amigo do seu avô de cumprimenta, o dono da padaria é seu vizinho, os Jornaleiros são basicamente a mesma família. O BAZAR do NELSON, na resistência dos bazares de Bairro, o bar do mal encarado, o bar do cachorrão (point de Rock de domingo de uma geração inteira)ou o bar do Sid, famoso por sua sambiquira, em qualquer um desses o morador tradicional encontrará ao menos um parente frequentando.

O domingo é de lei, comer pastel na feira, subir para o campo e curtir um futebol dos veteranos do Papa C|Colombo, grandes boleiros num ótimo campo. Campo este que já recebeu do Papai Noel ao Pedrinho do Vasco (morador ilustre do bairro). E já que estamos Lembrando dos bons boleiros, porque não lembrarmos do querido Ronald do Fluminense, aquele onde o gol de Barriga do Carioca de 95 começou, e que além de ter alegrado todos os tricolores naquele ano, também alegra nosso carnaval com a bateria do quando ENCOSTA QUE ELE CRESCE.

Vista Alegre é assim, tem muita veio artística pulsante neste bairro, muitos causos a ser contados, muitas gerações de vida que se confraternizam e se confrontam. Quantos não aprenderam a tocar com o Bira? Quantos não se divertiram, dos bailes no Grêmio e no GRAG até os eventos da LONA e do CASARTI, das festas de rua ao pólo gastronômico, Vista Alegre segue dia a dia tentando fazer jus ao nome e ser no maio do Subúrbio um cantinho que ainda mantém a escala de vizinhança onde uma matriarca que mora no quarto andar de um dos prédios da água grande grita para alertar sua cria que é hora de subir porque o almoço está na mesa.

No fundo é impossível resumir este bairro, pois tem milhares de Vista Alegres diferentes no coração memória década um que faz parte disso tudo.

Que venham os muitos Vista Alegres! ! !

imagem extraída deste belíssimo vídeo; https://www.youtube.com/watch?v=lCKponV3A8M&t=53s

2 comments

Leave a Reply to Anónimo Cancel reply